FICHA DE ANIMAÇÃO
N. 2/2009 (março - abril)

A REGRA DE VIDA, EM ATITUDE DE ESPERA ...
• Relembramos a orientação e o valor a viver na segunda etapa do nosso caminho deste ano:
“ A Regra de vida inclui um itinerário para o seguimento de Cristo...”(art. 229)
Com o coração pleno de reconhecimento, tomemos consciência que a nossa vocação é uma graça do Senhor, um chamado a nos conformarmos em tudo a Jesus Cristo, segundo o itinerário incluído na nossa Regra de Vida.
• Nos deixemos interpelar pela Palavra de Deus, da Igreja, das nossas fontes:

1. A Regra de vida é ao caminho que nos conduz a conformarmo- nos em tudo a Jesus Cristo
“...na realidade, mediante a lei, eu estou morto para a lei, para viver para Deus. Fui crucificado com Cristo e não sou mais eu quem vive, é Cristo que vive em mim” (Gal 2,19-20ª)
“...a vocação delas para ser bem vivida requer um total destaque interno e externo de tudo aquilo que não é Deus. Alem disso sendo, em cada parte do Instituto, contemplada sempre a imitação do nosso divino Mestre ... conveniente e justo seja este voto (Const. 1846, art.114). “...o Instituto tendo por objetivo singular a imitação Daquele que se fez obediente até a morte, e morte de cruz, como nesta parte O imitariam as irmãs , se até que vivem no mesmo, não somente com os atos, mas também com o sagrado ligame deste voto não fossem inteiramente consagradas?” (art. 119).
“ Todos os membros devem não só observar integralmente e com fidelidade os conselhos evangélicos, mas também viver segundo o direito próprio do Instituto, e in tal modo tender á perfeição do próprio estado” (CIC 5982).

Fazer morrer tudo o que não é Deus é condição fundamental para nos conformarmos com o divino Mestre. Permaneço diante de mim mesma para desmascarar na verdade a minha “resistência a morrer”...
2. Procuremos, todas nós, considerar com atenção ás coisas espirituais (cfr. Const. 1846, art. 150)
“Tornai- vos, pois, imitadores de Deus, como filhos amados, e andai em amor, assim como Cristo também nos amou e se entregou por nós a Deus, como oferta e sacrifício de odor suave”(Ef 5,1-2).
“ Grande Deus! Este era o ponto no qual Vós me esperáveis! Com um raio da vossa luz divina iluminastes o meu intelecto para conhecer a distância imensa que havia entre a obediência pronta e alegre de Jesus e a minha obstinação, e me parecia ser repreendida por Vós: “É assim que imitas o teu modelo divino, o teu Amor Crucificado? É desse modo que satisfazes o propósito que renovastes tantas vezes de não querer procurar outra coisa senão imitar o meu Unigênito?” Reprovações tão vivas , feitas tão a propósito, finalmente romperam a minha dureza, e, depois de pedir de coração perdão a deus pela minha grande obstinação do passado, abandonei- me totalmente, sem nenhuma reserva, á sua santíssima vontade, contente por realiza- La com a sua ajuda de modo que Ele queria que eu realizasse.”( VH. p.222)
“ O meu verdadeiro programa de governo é aquele de não fazer a minha vontade, de perseguir as minhas idéias, mas de colocar- me na escuta, com toda a Igreja, da palavra e da vontade do Senhor e deixar- me guiar por Ele, assim que seja Ele mesmo a guiar a Igreja nesta hora da História”. (Bento XVI, Homilia na Santa Missa para o início do seu ministério, 24-04-2005).

“Fazei- vos imitadores...” Fazei – vos é um imperativo, quer dizer que não o somos. Estamos dispostas á mudança, a um processo de conversão? Certamente não é automático..., então devemos dizer: me empenho.
3. Um itinerário do seguimento de Cristo, qualificado pelo Carisma fundacional
“ Minha vida presente na carne, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou a si mesmo por mim. Não invalido a graça de Deus; porque , se é pela Lei que vem a justiça, então Cristo morreu em vão” (Gal 2, 20b – 21)
“ Não posso deixar de renovar a cada instante tal pedido e rezo ao divino Pai de tornar- me, por sua divina bondade, cópia fiel do seu divino Filho, sem que por isso apareça em mim os traços desta divina semelhança”. (ME IIB, pp224-225).
“Contudo, há que manter viva a convicção de que a garantia de toda a renovação, que pretenda permanecer fiel á inspiração originária, está na busca de uma conformidade cada vez mais plena com o Senhor. Neste espírito, torna- se prementeem cada instituto a necessidade de um

Os discípulos seguem “o Cordeiro, onde quer que ele vá” (cfr. Ap. 14,4): Me pergunto sobre o que significa segui- lo onde quer que seja.
• A nossa reflexão se faz:
... oração
Se alguém quiser vir após mim, renegue a si mesmo, pegue a sua cruz e me siga (Mc 8,34).
A minha oração é ...................................................................................................................
... contemplação
“Olharão para aquele que transpassaram” (Jô 19,37)
“Jesus que amo, que adoro com todas as forças do meu coração e da minha alma!... Jesus, que viveste somente para padecer e rezar para ensinar verdades imutáveis e ainda padecer e beber, até o extremo, o cálice dos opróbrios e das dores!” (Chamados á Felicidade, p. 45 – 46)
... ação
Escolher uma “mortificação quaresmal” que me ajude a ser semelhante a Jesus em algum aspecto.
Sugestões para o uso da presente ficha
O percurso proposto nesta ficha, juntamente com a exegese do texto paulino, podem ser frutuosamente usados para:
- a reflexão pessoal sobre nossos comportamentos a desejar na vida religiosa,
- a lectio divina pessoal e comunitária;
- a avaliação do PVC no encontro comunitário.


FICHA DE ANIMAÇÃO
N. 1/2009 (Janeiro – Fevereiro)

 

A REGRA DE VIDA, EM ATITUDE DE ESPERA ...

• Relembremos a orientação e o valor para viver na primeira etapa do nosso caminho este ano:
“Para nós, Irmãs de Santa Ana, a estrada é a Regra de Vida...” (art. 229)
Cada uma de nós, Irmã de Santa Ana, encontra- se já encaminhada nesta estrada. O momento histórico que estamos vivendo nos chama agora, á luz da Palavra e dos outros trechos oferecidos para a nossa leitura e reflexão, a um percurso de discernimento pessoal e comunitário de uma maior consciência da necessidade da Regra de Vida.

• Nos coloquemos em uma atitude de abertura á luz do Espírito:
As palavras do Salmo 119 podem nos ajudara abrir o nosso coração á luz do Espírito e colocar- nos na justa atitude de verdade e de sinceridade.
Salmo 119

• Nos deixemos interpelar pela Palavra de Deus, da Igreja, das nossas Fontes:

1. Necessidade de um único e verdadeiro caminho
“ Admiro- me que tão depressa abandoneis aquele que vos chamou pela graça de Cristo, e passeis a outro evangelho. Não que haja outro , mas há alguns que vos estão perturbando e querendo corromper o Evangelho de Cristo. Entretanto, se alguém – ainda que nós mesmos ou um anjo do céu – vos anunciar um Evangelho diferente do que vos anunciamos, seja anátema!” (Gal. 1,6-8)

“ Portanto a estrada das irmãs de Santa Ana são as suas Regras, nas quais devem caminhar de virtude em virtude até que vejam seu eterno Esposo em Sião” (Const. 1846, art. 152).

“ As pessoas consagradas, além disso, são chamadas ao seguimento de Cristo obediente num “projeto evangélico” ou carismático, suscitado pelo Espírito e autenticado pela Igreja”. (Faciem tuam 9).

As fortes e cortantes palavras de São Paulo na carta aos Gálatas são uma chamada de atenção também para nós: descubro quais são as estradas “anti- evangélicas” que tornaram- se parte do meu modo de pensar, de falar e de agir e que desviam – me da comunhão com Deus e com as irmãs.

2. O caminho se faz caminhando

“ Foi em vista disso que vos enviei Timóteo, meu filho amado e fiel no Senhor; ele vos recordará minhas normas de vida em Cristo Jesus, tais como as ensino em toda parte, em todas as Igrejas”. (I Cor 4,17).

“... porem caminhem sabiamente e atentamente sem desviar – se nem para a direita e nem para a esquerda...” (Const. 1846, art. 152).

“ Ao aprovar um projeto carismático,isto é, um Instituto religioso, a Igreja garante que as inspirações que o animam e as normas que o regem podem dar lugar a um itinerário de busca de Deus e de santidade”. (Faciem tuam 9).

Levar a sério a Regra de Vida, Te- La cotidianamente entre as mãos, é declarar guerra á mediocridade, não acontentar- se com meias medidas, sabendo que vale a pena enfrentar aqueles sacrifícios “dolorosos” para a nossa natureza em vista da promessa de salvação nela contida.

3. A vontade de Deus para nós é o caminho de fidelidade ao Carisma

“ Como já vo- lo dissemos, volto a dize- lo agora: se alguém vos anunciar um evangelho diferente do que recebestes, seja anátema. É porventura o favor dos homens que agora eu busco, ou o favor de Deus? Ou procuro agradar aos homens? Se eu quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo”. (Gal. 1, 9 – 10).

“Se bem que as regras do Instituto de Santa Ana por si mesmas não obrigam a pecado, as irmãs sempre temerão transgredi-las, se recordam que a vocação delas é uma graça muito particular do Senhor, da qual será necessário dar conta no dia da morte”. (Const. 1846, art. 152).

“Até mesmo a Regra e outras indicações de vida tornam – se, pois, mediações da vontade do Senhor: mediação humana, porém sempre autorizada, imperfeita mas vinculante ao mesmo tempo, ponto a partir do qual começar a cada dia, e também perspectiva a superar, num impulso generoso e criativo em direção àquela santidade que Deus “quer” para cada consagrado. Neste caminho, a autoridade é investida da tarefa pastoral de guiar e de decidir”. (Faciem tuam 9).

Aderir a uma Regra como estrada para a própria vida consagrada requer um crescimento na fé porque reconheço que tal mediação humana vem de Deus; na esperança porque coloco a minha espera de salvação naquilo que Deus me revela; na caridade, quando acolho a entrega da Regra das Regras, o ágape, e a coloco em prática.

• A nossa reflexão faz – se:
... oração
“Todos nós como ovelhas, andávamos errantes, seguindo cada um o seu próprio caminho; mas Iahweh fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós” ( Is 53,6)

Te louvo e agradeço Jesus Bom Pastor pelas tantas vezes que tu com amor infinito e grande ternura reconduziu- me ao justo caminho.

Te louvo e agradeço Jesus Salvador Misericordioso pela tua proximidade nos meus momentos de fraqueza nos quais me ajudastes a ser fiel a ti.

Tu promulgastes teus preceitos para serem observados á risca.
meus caminhos sejam firmes para que possa observar teus estatutos ( Sal 119, 4-5)

Na tua fidelidade está a minha fidelidade. Senhor Jesus preciso de ti. Sem ti não posso fazer nada. Pela minha infidelidade tem piedade de mim. Ajuda – me a caminhar nas tuas vias que me doam vida.

... contemplação
“Eu sou o caminho a verdade e a vida” ( Jo 14,6)
“...A aprovação da Igreja, de fato, nos confirma a autenticidade do caminho evangélico que escolhemos para nos colocarmos no seguimento de Jesus Cristo e, imitando o seu exemplo de vida, colaborar para o seu e nosso mistério de redenção e de salvação”. ( Const. 1980, art. 155).
... ação
“ Será nossa viva preocupação conhece- La sempre mais profundamente, para ama- la e pratica- la sempre melhor.” (Const. 1980, art. 155)
Para este fim, me empenharei em ler fielmente, cada dia, um artigo da nossa Regra de 1846.


Sugestões para o uso da presente ficha
O percurso proposto nesta ficha, juntamente com a exegese do texto paulino, podem ser frutuosamente usados para:
- A reflexão pessoal sobre as nossas atitudes na espera da RV;
- a lectio divina pessoal e comunitária;
- A avaliação do PVC no encontro comunitário.

Irmãs de Santa Ana • Todos os Direitos Reservados
Rua Madre Henriqueta Dominici, 998 • Jd. Monte Belo • Londrina-Pr
Webdesign: Irmã Márcia Regina * Fones: (43) 3341-0137 ou 3341-1490